Exame de Espermograma: quais os fatores analisados

De forma bem objetiva, o espermograma é o estudo do esperma (ou sêmen), sendo a amostra coletada por masturbação.  Costuma ser solicitado por urologistas ou médicos especialistas em reprodução humana, visto que é exame imprescindível na avaliação básica do casal infértil. 

Neste artigo, explicaremos os principais aspectos analisados pelo espermograma. Nosso objetivo é esclarecer as dúvidas do leitor sobre a técnica e os resultados do exame. Vamos lá?

O que o exame de espermograma analisa?

De forma geral, o exame realiza análises em duas esferas distintas, sendo a primeira delas a análise macroscópica e a segunda a análise microscópica. 

Análise Macroscópica

Neste momento da análise são levados em consideração o volume de líquido seminal;  o ph, que mede a acidez do material coletado; a cor e o aspecto; a viscosidade; e o tempo de liquefação, que se refere ao tempo que o sêmen demora para sair do estado viscoso para o líquido.

Volume

O valor de referência é 1,5 ml. Sendo assim, caso o valor identificado pelo exame seja inferior à medida, o diagnóstico é de hipospermia. Isso significa que o homem apresenta baixa quantidade de esperma por ejaculação, o que pode ser um problema para a fertilidade. 

Pode ocorrer também a azoospermia, que é a ausência de espermatozóides. É importante lembrar que há tratamentos para ambos os casos.

pH

O pH mede a acidez do material colhido. O valor considerado normal é maior do que 7.2 e menor do que 7.8. Valores fora dessa medida podem indicar alguma obstrução dos canais seminais ou problemas na próstata.

Cor

A cor considerada dentro dos padrões de normalidade é cinza opalescente parecida com a da clara do ovo. Coloração amarelada ou avermelhada pode ser um forte indicativo de infecções e até de doenças mais graves, como o câncer de próstata.

Liquefação

O sêmen costuma ficar líquido após 60 minutos. Menos de 30 minutos até que o material perca sua viscosidade pode indicar disfunção na próstata.

Viscosidade

A textura padrão é considerada normal quando, ao ser gotejada, forma filamentos de mais de 2 centímetros.

Análise Microscópica 

A análise microscópica, por sua vez, é mais minuciosa e mede a concentração de espermatozoides por 1mL de líquido seminal; a concentração total de espermatozoides contidos na amostra; a morfologia (isto é, o estudo da forma dos espermatozóides; a concentração de leucócitos, que, quando aumentada, pode indicar infecções; a motilidade, que avalia a porcentagem de espermatozóides que se locomovem em linha reta (motilidade progressiva), os que apenas vibram sem se deslocar e os que são imóveis; e por fim a vitalidade, que mede a quantidade de espermatozóides vivos na amostra.

Concentração de Espermatozóides

Quando a concentração está abaixo de 15 milhões por mililitro, o quadro se chama oligozoospermia e pode levar a dificuldades de fecundação do óvulo.

Motilidade

Os gametas masculinos são classificados quanto à sua capacidade de locomoção. Segundo critérios atuais da Organização Mundial de Saúde (2010), uma amostra seminal  deve apresentar pelo menos 32% de espermatozoides que se movem de forma rápida ou lenta, mas progressivamente. Dessa forma, são capazes de alcançar o óvulo e fecundá-lo com sucesso.

Vitalidade

Resultados negativos ocorrem quando menos de 58% dos espermatozoides estão vivos.  O quadro se chama necrozoospermia e exige uma investigação mais profunda.

Morfologia

Também é levado em consideração o formato do espermatozóide que deve conter cabeça e cauda. Atualmente, consideram-se normais as amostras com morfologia (critérios estritos de Kruger, que avaliam diversos aspectos dos espermatozoides) igual ou superior a 4%.

Lembre-se de que os valores apontados acima são apenas referenciais do exame de espermograma, e que é preciso que todo o histórico do paciente seja considerado pelo médico especialista. 

É importante que fique claro que uma amostra isolada de sêmen não serve para estabelecer o potencial reprodutivo do homem. Em outras palavras, mesmo com valores fora das referências para os diversos parâmetros avaliados, o paciente pode ser fértil. 

Técnicas de reprodução assistida também são importantes aliadas dos casais cujo homem apresenta alguma disfunção na produção do esperma e podem ser uma boa solução para as dificuldades de engravidar! Até a próxima.

GINECOLOGIA E OBSTETRICIA em Clinica Viventre
CRM: 90.873

Formado pela Faculdade de Medicina da USP e com Residência Médica no Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da USP, Dr. Sergio desempenhou papel importante como Médico Preceptor da Clínica Ginecológica do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas.
É Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e certificado pelo CETRUS – Centro de Treinamento em Ultrassonografia de São Paulo em Ultra-sonografia em Ginecologia e Obstetrícia e Ultrassonografia transvaginal.

Membro do American Society for Reproductive Medicine (ASRM) e do European Society of Human Reproduction and Embryology (ESHRE).
Especial área de interesse em imunologia reprodutiva e abortamento de repetição.

Especialidades:
TÍTULOS DE ESPECIALISTA
Ginecologia e Obstetrícia
Reprodução Humana
Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa
ÁREAS DE INTERESSE
Aspectos imunológicos e genéticos do processo reprodutivo
Abortamento de Repetição
Preservação da Fertilidade
Dr. Sergio Gonçalves
Últimos posts por Dr. Sergio Gonçalves (exibir todos)

Venha nos visitar

Venha nos visitar

Localização:

R. Teixeira da Silva 54, 11º Andar | Bela Vista São Paulo, SP A 100 metros do Metrô Brigadeiro

Segunda a sexta, das 10 às 19h, e Sábado das 9 às 12h.

Entre em Contato

Disponibilizamos canais exclusivos para atendimento de nossos clientes. Preencha o formulário, ou se preferir utilize outro canal de contato abaixo.

Tem alguma dúvida? Ligue para Nós!

Ligue para Nós 11 4750.2231

Envie um WhatsApp!

11 99738.3269

Clínica Viventre © 2020 - Todos os direitos reservados.

Criação de Site: Agência 3xceler
Olá!

Gostaria de receber uma ligação?

Ligar